La Economia del Tiempo de Circulación Cero: las Plataformas de Internet

La Economia del Tiempo de Circulación Cero: las Plataformas de Internet

Este artículo investiga el proceso de valorización y acumulación de capital en las plataformas socio-digitales (PSDs) por ejemplo Facebook, Google, Amazon, etc. Sugiere, a partir de El capital de Karl Marx, que esas plataformas cumplen un papel esencial en el proceso de reducir al límite de cero los tiempos de circulación, rotación y, principalmente, de realización del capital. Al mismo tiempo, exploran y extraen plus-valor del trabajo informacional efectuado por millones de personas que en ellas realizan actividades lúdicas o por ellas buscan suplir demandas por productos y servicios en una sociedad del espectáculo (Debord) subsumida en el fetichismo de la mercancía. Este plus-valor es capturado directamente por el capital financiero que controla las PSDs y explicaría las altas ganancias y elevados valores de las acciones de aquellas compañías en las bolsas.
Publicado en Herramienta Web n. 23.
Para cita o referência, favor mencionar Herramienta Web n. 23, set. 2018, disponível em https://herramienta.com.ar/articulo.php?id=2897#_ftn7, acessado em dd/mm/aaaa

Semiótica da mercadoria: para uma introdução à economia política do signo

Semiótica da mercadoria: para uma introdução à economia política do signo

Este texto propõe uma interpretação semiótica para a trindade valor/valor de troca/valor de uso, que define a mercadoria segundo Karl Marx. Por meio de uma leitura de O capital e de seus rascunhos, tentamos mostrar que os conceitos básicos de Marx podem ser associados ao conceito de signo por Peirce e ao de trabalho semiótico, ou linguístico, conforme Umberto Eco e Rossi-Landi. Esta abordagem pode ajudar a esclarecer a natureza do trabalho efetuado na relação de espectadores e internautas com os meios eletrônicos de comunicação.

English: This text suggests a semiotic interpretation to the value/exchange value/use value trinity with which Karl Marx defines commodity. Reading Capital and its Marx’s drafts, the text tries to demonstrate that those basic Marxian concepts can be associated to Peirce’s concept of sign and also to the semiotic or linguistic work concept by Umberto Eco and Rossi-Landi. This approach can help to clarify the nature of the work carried on by TV viewers or net users in their activities with electronic communication means.

O massacre de Hipácia: ensaio sobre um roteiro para a barbárie

O massacre de Hipácia: ensaio sobre um roteiro para a barbárie

“Se um ensaio nos permite livre pensar, estaríamos, pergunto, vivenciando o início de um processo que, depois de mais um ou dois séculos, levará a nossa civilização a uma nova barbárie como aquela experimentada pelos europeus nos séculos que se seguiram à queda do Império Romano?”
(Publicado na revista “Versus”, junho de 2011)

Trabalho com Informação: valor, acumulação, apropriação nas redes do capital

Trabalho com Informação: valor, acumulação, apropriação nas redes do capital

Publicado em 2012, este livro resulta da dissertação de mestrado de seu autor, concluída em 1994. No Brasil, então, seria um estudo pioneiro em economia política da informação e da comunicação e na relação entre a teoria marxiana do valor e o valor da informação enquanto trabalho. Apontando para problemas como, por exemplo, a apropriação do conhecimento pelo capital via direitos de propriedade intelectual e o lugar que a então nascente internet ocuparia no processo de acumulação, o livro e a dissertação que lhe deu origem permanecem ainda muito atuais em seus conceitos e outros enunciados básicos.

Comunicação, desenvolvimento, democracia: desafios brasileiros no cenário da mundialização mediática

Comunicação, desenvolvimento, democracia: desafios brasileiros no cenário da mundialização mediática

Livro publicado em 2013 pela Editora da Fundação Perseu Abramo, divide-se em três partes. I) Uma introdução teórica à Economia Política da Comunicação; II) Exposição e discussão das reformas liberais, nas Comunicações, na Europa e Estados Unidos; III) Exposição e discussão do processo político brasileiro, nas Comunicações, desde a quebra do monopólio da Telebrás, em 1996.